Pular para o conteúdo

1 de março de 2012

O carnaval e as inovações de modelo de negócio

por innovacentro

Aconteceu nos últimos dias o que, para alguns, é considerado o maior espetáculo da Terra. O desfile das escolas de samba do grupo principal do Rio de Janeiro. Um evento cada vez mais profissional e cheio de criatividade, algo tão escasso na realidade empresarial. Será que as escolas de samba podem dar alguma contribuição aos empreendedores e executivos que tentam fazer com que suas empresas inovem?

Eu sempre fui torcedor da Mangueira. Minha mãe me passou esse sentimento pela verde e rosa. Víamos os desfiles pela TV quando eu era criança. Repetimos a dose nesse último carnaval.

Por sinal, o carnaval de 2012 me chamou atenção por um movimento realizado pela Mangueira. A escola executou uma “paradona” inédita no carnaval. Sim porque “paradinhas” já eram comuns. Não seria nenhuma inovação. Mas nesse caso os 250 ritmistas ficaram sem tocar nenhum instrumento por cerca de 2 minutos em plena avenida.

A Mangueira resolveu arriscar.Parar tudo e deixar somente os integrantes e o público cantar o samba. Durante seis meses ensaiou o novo movimento. O próprio mestre Ailton admitiu o receio. No meio da bateria, os artistas Dudu Nobre, Alcione e o grupo Fundo de Quintal fizeram uma roda de samba e cantaram o enredo. A resposta foi fantástica. A Apoteose foi tomada pela emoção e o público cantou junto o samba.

O hábito de consultor me levou logo a pensar: se tratava de uma inovação. Algo novo que daria resultado. Resolvi esperar e ver as notas dos jurados. No evento de abertura dos envelopes com as notas dos jurados para os quesitos (nada semelhante a lamentável bagunça que ocorreu em SP) percebi que realmente a “paradona” poderia ser considerada uma inovação. A Mangueira recebeu notas 10 de todos os jurados no quesito bateria.

Mas então a Mangueira ficou, finalmente, com o título? Não. Acabou em sétimo lugar. O título novamente foi para a Unidos da Tijuca que ganhou o segundo titulo nos últimos 3 anos. Por que se a Mangueira inclusive inovou?

A Unidos da Tijuca inovou nos últimos anos de forma mais abrangente e profunda. No ambiente de negócios diríamos que a Mangueira fez uma inovação incremental de processo mas a Unidos da Tijuca do carnavalesco Paulo Barros introduziu em 2010 uma inovaçãoradical no modelo de negócio. Repensou o espetáculo como um todo. Sua estética. Sua mecânica. Sua abordagem. As surpresas. Algo como o Cirque du Soleil das escolas de samba.

O ambiente empresarial é pródigo em empresas que inovaram em produto ou processos, mas foram suplantadas por inovações de modelo de negócio. Com a Mangueira não foi diferente. Sua inovação foi importante. Teve repercussão positiva. Atingiu resultados. Mas não foi suficiente.

Assim como as empresas, as escolas também precisarão aprender que para suplantar o atual líder será preciso uma inovação no modelo de negócio ou maior eficiência no modelo do atual vencedor, algo difícil dado que dos 300 pontos possíveis a Unidos da Tijuca obteve assustadores 299,9, perdendo apenas 0,1 no quesito alegorias e adereços. Assim como as escolas, as empresas deverão repensar seus modelos de negócio e compreender os diferentes tipos de inovação.

Até lá, aguardemos o próximo carnaval e as potenciais inovações. Eu estarei lá para conferir e aprender mais um pouco sobre gestão da inovação.

Publicado no Blog 3M de Inovação em 27/02/2012 (por Maximiliano Carlomagno)

Anúncios
Leia mais de Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Observação: HTML é permitido. Seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Assinar os comentários

%d blogueiros gostam disto: