Pular para o conteúdo

30 de setembro de 2011

Facebook revoluciona as redes sociais

por innovacentro

Olá pessoal,

Muito tem se utilizado e falado na febre que se tornou a rede social Facebook. Alguns se perguntam o que tornou esta ferramenta de comunicação social tão poderosa – 3ª empresa mais inovadora segunda a Fast Company, uma das marcas mais valiosas do mundo sendo avaliada em US$ 50 bilhões, 600 milhões de usuários e até enredo de longa metragem – enquanto outras como Orkut, Linkedin, My Space não chegaram e talvez nunca chegarão no degrau que chegou o Facebook.
A resposta é simples: inovação. Para quem não conhece a história dessa rede social: seu fundador Mark Zuckerberg lançou em 2004 uma rede social primeiramente restrita à Universidade de Harvard, nos EUA, para mais tarde ser disseminada entre outras universidades e escolas americanas. Esse nicho procurado por Mark já se configura em uma inovação de clientes, pois ela foi criada para substituir os e-mails trocados entre os alunos de Harvard, isso gerando mais eficiência na comunicação.
Ao mesmo tempo em que é uma inovação de clientes também é de oferta, pois ao longo dos anos o Facebook foi se diferenciado de outras redes sociais à medida que foi agregando outras funcionalidades que as demais plataformas ainda não haviam agregado. Ele acaba sendo convergente à medida que faz o que seus concorrentes fazem, só que de forma agregada. Ele é um mural (no estilo do Twitter); conecta o usuário a seus conhecidos de colégio, empresa que trabalha, universidade, contatos de email; permite “curtir” fotos e comentários de outros usuários; permite postar fotos (atualmente são mais de 60 milhões de fotos postadas semanalmente, ultrapassando sites especializados em fotos), em suma: o Facebook é Twitter, Orkut, blog e fotolog ao mesmo tempo.
A rede de relacionamento criada por Zuckerberg é um fenômeno quando se trata da inovação na dimensão da captura de valor, pois foi à primeira rede social a ter anúncios em seu site. Em apenas dois anos, sua publicidade cresceu de 2,9% para 13,6% doa anúncios que aparecem em site, desbancando AOL e Yahoo e muito provavelmente roubando espaços publicitários na televisão, segundo jornal Valor Econômico. Ainda na dimensão de captura de valor, no Facebook, a partir de 1º junho, todos os jogos baseados em sua plataforma deverão usar uma moeda virtual chamada Facebook Credits. Jogos como Farmville e Cytiville, que são pertencentes a outras empresas, deverão usar a nova moeda. Essas moedas virtuais serão pagas com dinheiro real, através de cartão de crédito ou companhias que viabilizam pagamento online, como a Paypal. A rede de relacionamento irá cobrar uma taxa de 30% de cada transação feita com sua moeda virtual, segundo a revista Época Dinheiro.
Zuckerberg tem como principal meta sepultar o Google, até o momento soberano na internet em número de acessos. Não acredito que isso irá acontecer apesar de concorrerem em algumas instâncias. Mas de qualquer maneira, o que o jovem de 26 anos está fazendo é sinônimo de inovação na internet.
E você? Qual sua avaliação sobre o perfil de inovação do Facebook? Que outros tipos de inovação você identifica neste case de sucesso?

Márcio Harter

Anúncios
Leia mais de Blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Observação: HTML é permitido. Seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Assinar os comentários

%d blogueiros gostam disto: